segunda-feira , outubro 23 2017
Home / Arte / Porque um Festival de Trance não é Festa Rave

Porque um Festival de Trance não é Festa Rave

 

Já fui em raves e em festivais. Particularmente, não gosto de raves, ao contrário de festivais. Tive oportunidade de ir em alguns, e na maioria fui para trabalhar com terapias holísticas. Nesse post aqui tem um pouco do que aconteceu no  Pulsar Festival, onde estive presente em junho de 2015 trabalhando com Cura Prânica e Reiki.

Eu e Diego, meu namorado, normalmente oferecemos nosso trabalho (eu com terapias holísticas e ele com música – DJ Kristazul) para facilitar nossa ida e custear a maior parte da viagem, quando o festival não acontece no RJ. Assim, trabalhamos e conseguimos aproveitar o evento.

Abaixo compartilho com vocês um texto sobre as principais diferenças entre uma Festa Rave e um Festival. E quem quiser ter nosso trabalho num Festival, escreva pra gente (rafaela@pranazen.com), se for um evento sério e com o propósito de somar boas energias, vamos amar! 🙂

E quem ainda não foi em um Festival, vá se tiver oportunidade e conte sua experiência depois. Vou adorar saber.

 

 

Inúmeros adeptos da música eletrônica no Brasil não sabem ou não têm conhecimento suficiente para distinguir a diferença entre Festivais de Música Trance e as famosas Festas Raves. Apesar dessas festas serem da mesma “família”, há uma tremenda diferença entre esses dois tipos de celebração, é como se as Festas Raves fossem primo de terceiro grau dos Festivais de Trance. São diversos detalhes que fazem a maior diferença e separam o joio do trigo.

Um verdadeiro Festival de Trance é uma celebração que vai além de apenas ótimas músicas e bons dj’s, envolve diversas atividades como arte, cultura, sustentabilidade, educação e principalmente espiritualidade. Esses Festivais duram cerca de três dias no minímo. Podemos dizer que o Trance é família, respeito, união e aceitação, talvez não haveriam palavras melhores para denifi-lo. Esses ambientes são transformadores, tanto para a mente, quanto para alma.

Os frequentadores de Festivais de Trance são de todas as idades e gêneros, desde bebês até idosos, e essas pessoas têm ampla consciência em relação ao universo e a sociedade, geralmente são educadas e livres de paradigmas impostos pela mídia, e visam em primeiro lugar respeitar ao próximo e ao ambiente que frequentam, procurando sempre manter limpo o chão onde pisam e dançam. Quem já foi em Festa Rave sabe como as pistas ficam sujas, né? REPUGNANTE!

Esses festivais não se limitam apenas a pista e bar, existem inúmeras áreas que compõem o festival, sejam pra relaxar, conversar, praticar atividades artísticas, aprender coisas novas, entre outras coisas que podem nos ajudar na evolução como ser humano. Além desses inúmeros pontos positivos que só o Trance oferece, é fácil perceber como esses festivais são feitos com muito amor e dedicação, além de sempre procurarem manter preços justos em relação a portaria, bar e serviços prestados, diferente das Festas Raves que costumam ter preços exorbitantes que chegam a ser surreais.
E o que mais vale ressaltar neste artigo, são os lugares onde esses Festivais são celebrados, 90% de todos são sempre em lugares paradisíacos que somente nossa Mãe Natureza poderia nos prover, alguns exemplos são os festivais Universo Paralello, Terra em Transe e Respect Lost que são celebrados em praias, e o Festival Mundo de Oz que é celebrado em uma incrível fazenda que possui uma cachoeira mágica.

 

Resumindo: o Trance é pé no chão, poeira subindo, união entre os seres, paz, respeito, liberdade, expansão da consciência, cultura, amor, desapego, lama, conexão com a natureza, arte e principalmente, o despertar de um novo olhar para o mundo e para o próximo.

 

 

Confiram algumas imagens feitas em diversos festivais de Trance pelo Fotógrafo Vinicius Senna, e sintam o quão formidável é vivenciar celebrações como essa:

 

23

13256791012131415182022242627282930313233353637383940444342414

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: fotografiaecia

 

Sobre Rafaela Ganzenmüller

Rafaela Ganzenmüller
Fundadora do PranaZen, Rafaela Ganzenmüller é empreendedora social, nômade digital, terapeuta alternativa, leitora de aura, pranaterapeuta, reikiana, artesã, escritora e mãe do Zion. Atualmente vive num povoado na Chapada dos Veadeiros com sua família. Atende com as terapias a distância, presencialmente em GO e RJ e em festivais de música, sempre de forma empática, sensível e holística. Rafaela entende e valoriza o poder do equilíbrio das energias.

Veja Outros

Como lidar com a solidão no caminho espiritual

Para aqueles que são orientados espiritualmente não é incomum se sentir um pouco desconectado das …

5 Comentários

  1. Oi Rafaela, parabéns pelo texto, tua energia é incrível. Nunca fui a um festival e sempre tive a curiosidade, mas um pouco de receio, graças a tua leitura, compreendi a diferença e certamente irei em algum um dia, aqui no Rio Grande do Sul, só tem raves, meu parceiro até adora, eu que acho um desperdício de tempo e energia, deve ser por isso que nunca fui, bom, só queria agradecer por agora sim ter um motivo concreto p não ir a Raves. Obrigada

    • Rafaela Ganzenmüller

      Oi Fernanda, obrigada pelo carinho!! Essa é a minha opinião, mas sugiro que você vá para opinar por você mesma. Se tiver oportunidade de ir num festival, vá, vale mesmo a pena. Tenho certeza que seu parceiro vai adorar também. Quando for, me conte como foi sua experiência, vou adorar saber. Um abração!

  2. Olá, Como posso fazer ima leitura de aura?
    Grata

  3. Texto incrível, e muito bom saber as opiniões de outros que curtem a mesma vibe, sou completamente apaixonado por festival e também gosto de Rave, acredito que seja diferenças de momentos. Senti seu espirito lendo esse texto, parabéns 🙂

Deixe uma resposta para Emerson Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *