quarta-feira , dezembro 19 2018
Home / Meu diário / Quando aprendi a abraçar
Ilha Grande - RJ: Nossa primeira e última viagem juntos desde minha infância.

Quando aprendi a abraçar


2 de Setembro. Hoje seria seu aniversário de 60 anos. Meu pai. Meu pai morreu há pouco mais de 2 anos e desde então minha vida mudou completamente em muitos sentidos. O maior sentido foi aprender que um abraço faz todo o sentido e pode realmente mudar uma vida. Queridos, se eu puder dar um conselho, apenas um, eu digo: Abrace!!! Abrace mais, abrace sempre!! Não tô falando desse abracinho sem graça que mal encosta no outro e que quer largar logo. Não tô falando de abraço imposto pela sociedade em datas comemorativas. Nem tô falando de abraço com safadeza. É o abraço que conecta os espíritos e espírito não tem sexo. É abraço de verdade. O abraço que faz você sentir o coração e a alma do outro. O abraço que você, em 20 segundos, intenciona toda a luz do universo pra quem você abraça. Que você intenciona pro outro todo o bem que você deseja a você mesmo. E aí você percebe que o outro é uma extensão de você. Transmita, através de um abraço, todo o bem que você gostaria de receber. Encaixe-se no abraço, feche os olhos, faça 3 respirações profundas(no mínimo!)enquanto ouve e sente os corações conectados e relaxe. Sinta a luz entrar pelo seu chacra coronário que fica no alto da cabeça e sinta a luz saindo através do seu chacra cardíaco, que estará encostado no chacra cardíaco do sortudo que receber seu abraço e que vai receber toda essa potência de energia curadora.

Esse abraço pai, esse que hoje eu distribuo com tanta facilidade e maestria, eu não soube te dar. Senti vontade de te abraçar na última vez que te vi mas deixei pra depois. O depois que não chegou. Mas foi justamente por isso que aprendi e curei meu abraço do medo de abraçar e, no amor do meu abraço muitos abraços vão se curar. Nada nessa vida é por acaso. Os opostos são complementares. Receba meu melhor abraço onde você estiver. O meu melhor presente.

Um abraço de verdade tem muito poder. Acredite. Experimente.
Um abraço de verdade tem muito poder. Acredite. Experimente.

 

 

“A duração média de um abraço entre duas pessoas é de 3 segundos. Mas pesquisadores descobriram algo fantástico. Quando um abraço dura 20 segundos, há um efeito terapêutico sobre o corpo e mente. A razão é que um abraço sincero produz um hormônio chamado “oxitocina”, também conhecido como o hormônio do amor. Esta substância tem muitos benefícios na nossa saúde física e mental, ajuda-nos, entre outras coisas, para relaxar, para se sentir seguro e acalmar nossos medos e ansiedade. Este maravilhoso calmante é oferecido de forma gratuita cada vez que temos uma pessoa em nossos braços.”

 

Pra quem quiser saber mais sobre o meu aprendizado do abraço, convido para ver os links abaixo:

digitalizar0002-001

20130620_150613

“Essa dor vai ser transformada em força e vai ficar pra história, com certeza. Vai se transformar num motivo bonito que eu espero que ajude e mude a vida de muita gente.”  – Rafaela Ganzenmuller

Sobre Rafaela Ganzenmüller

Rafaela Ganzenmüller
Fundadora do PranaZen, Rafaela Ganzenmüller é empreendedora social, nômade digital, terapeuta alternativa, leitora de aura, pranaterapeuta, reikiana, artesã, escritora e mãe do Zion. Atualmente vive num povoado na Chapada dos Veadeiros com sua família. Atende com as terapias a distância, presencialmente em GO e RJ e em festivais de música, sempre de forma empática, sensível e holística. Rafaela entende e valoriza o poder do equilíbrio das energias.

Veja Outros

Quando aprendi a doar

Completei 100 atendimentos com Leitura de Aura na semana do aniversário de 10 anos do …

4 Comentários

  1. Obrigada por compartilhar suas experiências! Adoro ler seus textos, e saber que tem muita gente do bem fazendo o bem por aí!!!! Abraço grande! Nina

  2. Gratidão!
    É triste como diversas vezes optamos por dar atenção ao fútil, enquanto o simples é, de fato, o essencial. O poder de um abraço é sem dúvida, curativo, enternecedor. Obrigada por lembrar-me da tamanha magnificência do ato. Luz a ti!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *